top of page

Desative a pressão do medo

Atualizado: 7 de jul. de 2023

Portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte (Hebreus 2.14-15 NVI).


O medo é uma das mais fortes pressões do mundo. José, Moisés, Jesus: imagine a pressão sofrida por eles. Viver é ser pressionado. O mundo todo está assim: vírus, pandemia, guerra, conflito. O diabo trabalha com o medo, a morte e a mentira. Mantém pessoas escravas do império da morte por toda vida. Jesus provou a morte por todos nós, aniquilando o poder do seu império. Podemos descansar nas promessas de Deus em Cristo ou sofrer na escravidão.


Jesus sofreu no Getsêmani e foi tentado no deserto. Disseram: desça da cruz! Por que o tentaram? Porque Cristo destruiria, como, de fato destruiu, o poder do império daquele que detinha a morte. A chave da cura é a glória, o desfrutar de Deus, ao passo que viver embaixo do império da servidão da morte é desfrutar medo, engano, mentira.


Como aplicar essas verdades em nossa vida? Jesus disse: aprendei de mim (Mateus 11.29). Portanto, aprendendo com Cristo o império da morte é retirado.


O saudoso pastor Paulo César Bornelli, falecido em março de 2022, DE Maringá, no Paraná, utilizava a interessante metáfora do marimbondo sobrevoando sem ferrão. Aqueles que não o sabem, temerão. Àqueles que creem, está revelado: o império da morte foi retirado por Cristo, o marimbondo está sem ferrão. Senhor, minha vida, história e existência estão em suas mãos. Na fé não há pressão. Portanto, devemos:


Nos alinhar ao amor de Deus. Nele não existe medo (1 João 4.18). Sob pressão podemos declarar: Senhor, inunda minha família, meus pensamentos e meu ser do seu amor. Eu vivo no que Deus é: amor por mim. Não vivo naquilo que o diabo diz.

O povo de Israel era alimentado por aquilo que era mandado por Deus: maná. Maná significa aquilo que é. Jesus é o pão da vida, aquele que é. Quando aquilo que é se junta àquele que é, você se torna o que Deus quer que você seja. Eu e você necessitamos viver alimentados diariamente da vida de Cristo, que é o amor de Deus por nós. O que fazemos sob pressão? Alinhamos nossa vida ao amor de Deus, nutridos em Cristo, guiados pelo Espírito.


Nos alinhar à totalidade da vida com Deus (1 Tessalonicenses 5.23). É preciso mergulhar no agir da paz santificadora de Deus. Assim, nossa psique, corpo e alma restam conservados e fluem na esperança daquilo que o Pai tem, pode, é, faz e quer. É a totalidade da vida nele.


Remover entulhos interiores (Efésios 4.22). Deixe Deus remover medo, pressão, mentira, morte, miséria, maledicência, mediocridade, mesmice. Convido você a entrar no novo de Deus.


Renovar a mente (Efésios 4.23). Renovação espiritual. Senhor, retire as amarras do velho Egito e plante suas promessas incomparáveis. Pressão opressora da morte não subsiste na verdade que é Cristo.


Deixar o Espírito Santo trabalhar em nossas emoções. A luz de Cristo em nossos pensamentos busca a vontade do Pai celestial por meio da comunhão com seu Espírito. Que haja luz em nosso ser. Precisamos praticar o que falamos: remover, renovar e revestir-nos do Senhor; deixar o Espírito Santo trabalhar em nossa vida.


Para finalizar, podemos a história de Corrie ten Boom. Foi uma holandesa refugiada em casa de judeus durante a segunda guerra mundial. Inspirou o livro Refúgio Secreto. Ao perguntar à avó onde seria seguro estar, escutou: debaixo da vontade de Deus. Sob pressão, o melhor lugar para se estar é justamente sob a vontade de Deus.


Que o Senhor nos capacite a viver essa realidade cada dia mais e mais, porque ele nos ama, nos aceita e nos respeita completa e profundamente.


Remover, renovar e revestir. Experimentar o novo de Deus em Cristo Jesus.


Reflexão baseada na pregação do Pr. Silas Barbosa Dias, em 13 de março de 2022, na 2º IPI Londrina-PR (Filadélfia).


Por Paulo Povedano

Aluno do Curso de Teoterapia

6 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page